Moda e arquitetura: 5 designers fashion que se inspiram na arquitetura

Tanto moda quanto arquitetura são meios artísticos que a sociedade usa para expressar suas ideias e sua identidade cultural. As duas áreas mostram o contexto histórico e social de cada época e até características que remetem ao passado ou ao futuro. Mas não é só isso!

Em sábias palavras, Coco Chanel disse: “A moda é arquitetura. É uma questão de proporções”.

Um designer de moda usa seus materiais para construir estruturas que possam servir de vestimenta e que moldem o corpo humano em diversas formas. Já o arquiteto usa concreto, vidro, cimento e outros materiais de construção para dar forma às suas obras.

O arquiteto e o designer de moda planejam um projeto bidimensional no papel, para então transformá-lo em um produto tridimensional. Interessante, não é mesmo? Continue a leitura e veja como alguns fashion designers misturam moda e arquitetura!

1. Pierre Cardin

Foi aos 14 anos que Pierre Cardin começou a aprender sobre moda trabalhando como aprendiz de um alfaiate. Alguns anos depois, o francês começou a faculdade de arquitetura, mas antes que pudesse terminar esse curso, voltou a trabalhar com moda.

Pierre Cardin se tornou chefe do ateliê dos alfaiates de Christian Dior e, em 1950, fundou sua própria casa de alta-costura.

Ele ficou conhecido por seu olhar vanguardista, inspirado sempre no espaço e na era futurista. Suas criações possuíam formatos geométricos que ignoravam a silhueta feminina.

Hoje em dia sua marca continua em alta e conta com um site e uma loja online para quem se interessa pela marca.

2. Raf Simons

Embora Simons sempre tivesse interesse em estudar arquitetura, ele nunca chegou a estudá-la formalmente. Em vez disso, cursou design industrial e, após terminar seu curso, mudou para o ramo da moda.

Segundo Raf Simons, trabalhar com a moda é mais desafiador, pois essa arte é uma relação constante entre a mente e o corpo. Ele também define seu trabalho como uma nova construção de peças de moda com ênfase nas formas.

Simons mostrava suas influências vindas da arquitetura até mesmo na escolha dos locais onde seriam exibidas suas criações. Como na apresentação da coleção Dior Resort 2016, que aconteceu em uma casa em formato de bolha com milhares de espelhos.

3. Tom Ford

O designer estudou arquitetura, mas decidiu mudar para moda no último ano do curso. Segundo Ford, arquitetura era uma disciplina séria demais para ele, enquanto moda era o equilíbrio perfeito entre arte e comércio.

Embora não tenha seguido a arquitetura como carreira, Ford nunca negou sua influência em suas criações. Para ele, Mies van der Rohe foi o arquiteto que mais inspirou sua arte.

Graças a seu olhar único sobre moda, Ford foi capaz de assumir o controle da Gucci quando a marca passava por uma crise interna e reinventar todo o seu conceito, tornando-a o grande nome que é hoje.

Também conta com sua loja online onde vende produtos masculinos ou femininos de todos os tipos.

4. Rei Kawakubo

Rei Kawakubo sempre foi conhecida por criar roupas que priorizassem a estrutura e as formas, sem se importar se as roupas teriam mesmo função de vestimenta. Ela é a grande mente por trás da Comme des Garçons e elegeu o grande arquiteto suíço Le Corbusier como a grande inspiração para suas produções.

Em entrevistas, Kawabuko já reconheceu que ela admira a simplicidade e a forma como o arquiteto suíço sabe usar o espaço em suas estéticas. Sua admiração pelo trabalho de Le Corbusier fica evidente em sua coleção de outono de 2015, em que as cores e estampas foram praticamente anuladas, dando, assim, prioridade às formas de suas peças.

5. Gustavo Lins

Após se formar em arquitetura, o brasileiro começou sua carreira na moda como freelancer numa fábrica de estampas.

Trabalhou com nomes importantíssimos, como John Galliano e Louis Vuitton. Algum tempo depois, criou sua própria linha de roupas, a l’Atelier Gustavolins. É fácil reconhecer a grande influência que Gustavo tem da arquitetura. Os cortes de suas peças mostram dar mais importância à estrutura e à estética.

Gustavo já teve uma coleção inspirada em kimonos e na cultura japonesa e, segundo ele, sua grande influência foi a arquitetura japonesa, principalmente os tatamis. Em seus trabalhos, moda e arquitetura andam de mãos dadas.

E aí, gostou do conteúdo? Então, convido você, leitor, a curtir a minha página no Facebook e mostrar seu apoio pelo nosso trabalho!

Compartilhe esse post

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Todos os conteúdos do site Adelina Evangelista são protegidos por copyright, o que significa que nenhum texto ou imagem podem ser usados sem a autorização expressa da Adelina, mesmo citando a fonte.